Programa ‘Antitabagismo’ é destaque nas UBS´s de Fernandópolis

Projeto ganha destaque neste mês de agosto em que é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo

Programa ‘Antitabagismo’ é destaque nas UBS´s de Fernandópolis

O tabagismo é causado pela dependência física à nicotina. Além de contribuir para o desenvolvimento de diferentes tipos de câncer, o fumo também está associado a doenças crônicas e enfermidades no corpo humano. Em Fernandópolis, as pessoas que têm interesse em parar de fumar recebem todas as orientações, apoio e medicação necessários por meio do programa antitabagismo realizado pela Secretaria Municipal de Saúde.

O Projeto é desenvolvido em todas as UBS’s – Unidades Básicas de Saúde do município e ganha destaque neste mês de agosto em que é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo (data lembrada na próxima segunda, 29). Uma equipe de estagiários do curso de Farmácia, com apoio dos profissionais do programa antitabagismo, está realizando uma agenda de palestras nas unidades de Saúde abordando sobre a importância do programa e os malefícios de cigarro, incentivando os fumantes a se inscreverem no projeto.

Todos os novos pacientes inclusos nos grupos antitabagismo   passam por triagem, avaliação médica, participam de reuniões e são inclusos em um grupo terapêutico medicamentoso de, em média, 12 semanas. De acordo com cada avaliação clínica é fornecido adesivo e medicação para cada paciente. Mais de 500 pacientes foram atendidos no último ano. 

 Além do cigarro convencional, a moda do cigarro eletrônico também tem causado preocupação e é um dos temas trabalhados durante o programa.

A coordenadora Regiane Jaqueline Ferrari de Araújo destaca a importância do programa no município e os benefícios à população.  “Muitas pessoas de diferentes idades sofrem com a dependência do cigarro e buscam nosso auxílio. O uso do cigarro eletrônico também merece atenção e os jovens são o principal alvo dessa substância, porém poucos sabem que ele é pior que o convencional porque causa dependência muito mais rápida e intensamente. Nosso trabalho é prestar auxílio por meio de acompanhamento e medicamentos a todos que queiram deixar esse vício”, comentou.

 

ENTENDA OS MALEFÍCIOS DO USO DO CIGARRO ELETRÔNICO

Os efeitos negativos dos cigarros eletrônicos são altamente conhecidos pela comunidade médica. Além de contribuir para o desenvolvimento de diferentes tipos de câncer, o fumo também está associado a doenças crônicas e enfermidades no corpo humano.

Com diferentes essências e com uma ideia de ser mais inofensivos que o tabaco tradicional, os cigarros eletrônicos se popularizaram principalmente entre os jovens. O consumo excessivo pode provocar consequências tão graves quanto as do cigarro comum porém muitos ainda desconhecem tais malefícios.

 

O que é um cigarro eletrônico?

Também conhecido como vape, smok, jull, ou simplesmente “caneta” por conta do seu formato, trata-se de um dispositivo de bateria no qual é colocado um líquido concentrado de nicotina, que é aquecido e inalado pelo usuário. Esse líquido além da nicotina, possui ainda produtos solventes como água, propilenoglicol, glicerina e aromatizantes para dar sabor.

Quais os malefícios do cigarro eletrônico?

Assim como o cigarro convencional, o cigarro eletrônico faz mal à saúde principalmente devido a liberação de nicotina. Essa substância, também presente nos cigarros tradicionais, possui um maior poder de vício, ou seja, ao ser inalado provoca uma dependência assim como outros tipos de droga.

A sensação de prazer despertada pelo uso do cigarro em um contexto de descontração, irá tornar difícil o abandono do hábito. Todos os momentos que o usuário inalar a substância, o circuito de recompensa cerebral é acionado. Essa recompensa libera a dopamina (hormônio do prazer).